Share
ShareSidebar


O filho morto



Sobre o escrito de um texto feito imagem.
Sobre as lágrimas, os sufocos, a falta ...

Só um segundo antes,
Só um segundo de negação,
Só um segundo abraço,
também este num segundo eterno.

Vi um peito abrir-se e rasgar-se numa tarde de chuva.
Sal abraçando o líquido de Deus.
Essa água divina que arrasta os corpos e as almas,
talvez me leve a mim ...

Sobre um chão em lama.
Sob a chuva fugida do céu.
Só fico eu,
e um segundo corpo
vindo de mim.
Comentários
1 Comentários

1 comentários:

joana meneses disse...

é mesmo! parece estar tudo muito bem no mundo, principalmente no nosso mundo. parece que nada de escuro existe em nós e é bom.
Beijinhos