Share
ShareSidebar


Roupa domingueira




Na Brasileira um homem fuma a olhar os que passam. Saboreia aquele cigarro e vê o mundo girar.
São pessoas com sacos, mulheres com vidas, homens com amantes, meninos com sonhos, jovens com a cama na cabeça.

Quando era pequeno falava na igreja.  A minha mãe não gostava muito. Mas eu sempre gostei de fazer perguntas, acho que era aquela coisa de saber. Virava-me para a minha mãe e dizia (baixinho, que eu não era assim tão mal educado com o Jesus): "Oh Mãe porque estamos calados? Olha, porque é que só aquele é que fala? Isto ainda demora?"
Aquilo era sempre eterno. Tinha de ficar calado, a ver todos a olharem para cima como saboreando um cigarro. Ás vezes encontrava um semelhante
  (as crianças são umas chatas. não dizem nada de grande. é as perguntas difíceis, os faz de conta. cale-me lá o puto)
e ficávamos os dois a entreter mais aquilo. A minha mãe não gostava lá muito daquele divertimento. Olhava para mim e eu já sabia - "Acabou-se a festa".
No fim da reunião ia tudo para casa, comer o assado, falar da bola, dizer mal do governo e da gente vizinha que foi mal vestida para a missa. Eu achava estranho tudo isso. Bem, ainda acho. Como é que as pessoas, que olhavam todas para longe, podiam ver a roupa do vizinho?
O que é verdade é que viam e, assim sendo, a minha mãe punha sempre a melhor roupa pronta
   (tu já sabes. anda sempre coma  roupa limpa. nunca se sabe se tens de ir ao médico e apanhas uma vergonha.
    mas eles não estão lá e até vêm sangue?
    cala-te e anda limpo!)
tomávamos banho em fila, e íamos mostrar a fatiota.

É estranho que o homem da brasileira nem tivesse grande roupa. Ele também olhava para longe. Será que quando chegara a casa vai dizer que viu este bem vestido, aquela mal vestida e sicrano muito solto nas palavras? Será que vai ouvir da mãe por não ter melhor roupa para se ir mostrar? Talvez.
Talvez não.
Ele pode dizer que ninguém o viu.
Ficava resolvido o problema.
Portanto,
se alguém ler este texto
não diga à mãe do senhor da Brasileira
que lhe faltava a roupa domingueira.
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

LLC disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
zita disse...

Tens jeito de Poeta! Gostei de ler , e conheço bem esse local, por fora. Não tenho roupa domingueira para entrar lá; não vá o homem que fuma, olhar para mim e dizer que estou mal vestida!
Um abraço.